TECNOLOGIA

Estudo mostra eficácia de vacinas da Pfizer e AstraZeneca contra variante Delta

Um estudo realizado pela Universidade de Oxford, em parceria com o Instituto Nuffield de Medicina, mostrou altos índices de eficácia das vacinas Pfizer-BioNTech e Oxford-AstraZenaca contra a variante Delta do novo coronavírus. A pesquisa mostrou um comportamento bem semelhante entre ambas — enquanto a primeira fornece 71% de proteção nas primeiras duas semanas após a segunda dose e se mantém assim por até cinco meses, a outra começa em 93% e apresenta redução ao longo do tempo, chegando ao mesmo patamar após quatro meses.

Os dois índices estão acima do total mínimo considerado pela OMS (Organização Mundial de Saúde) para a imunização, que é de 50%. De acordo com os pesquisadores, a imunização completa continua sendo a maior arma da população contra a COVID-19, o que inclui também a variante Alpha, bastante presente no Reino Unido e com proteção vacinal acima dos números encontrados em relação à Delta, que é 60% mais transmissível.

De acordo com a professora Sarah Walker, responsável pela pesquisa, uma queda no nível de proteção das vacinas, meses após a aplicação da segunda dose, é de se esperar — e também o motivo pelo qual, agora, muitos estudos se debruçam sobre a possibilidade de uma terceira aplicação ou campanhas anuais contra o coronavírus. Ela aponta, principalmente, o caso da AstraZeneca, que começa com 93% de eficácia e apresentaria redução com o tempo, com um longo caminho até deixar de ser eficiente contra a COVID-19.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

O estudo também mostrou que os indivíduos que tiveram COVID-19 antes de se vacinarem apresentaram proteção maior após a aplicação, enquanto a diferença de tempo entre as aplicações de doses, de acordo com as diferentes orientações internacionais, não reduziu a eficácia dos imunizantes. Ainda, os mais jovens desenvolvem mais anticorpos que os mais velhos, enquanto os completamente vacinados apresentaram carga viral inferir em caso de contaminação com a variante Alpha, enquanto os níveis de Delta foram similares — a proteção, aqui, também faz toda a diferença.

A conclusão do trabalho é que o ciclo vacinal completo segue sendo a maneira mais eficaz de proteção da população contra o novo coronavírus, principalmente no caso da Delta. O estudo também analisou a eficácia de doses da Moderna — apesar de a amostra analisada não ter dados suficientes, a ideia preliminar é de que apenas uma dose do imunizante oferece proteção acima da inicial de AstraZeneca e Pfizer, com a aplicação da segunda picada garantindo ainda mais proteção aos indivíduos.

De acordo com Walker, a pesquisa continua, agora, com foco na transmissão do vírus entre pessoas vacinadas ou não. A ideia dos estudiosos é de que possam existir picos de contaminação periódicos, com curtos momentos de maior presença viral entre a população e maior transmissibilidade de acordo com as variantes encontradas e carga presente. Novamente, a recomendação é pela vacinação, já que os não imunizados ficam desprotegidos em momentos como estes e podem ajudar a disseminar a COVID-19, além de contribuir para o surgimento de novas cepas.

A pesquisa analisou 2,5 milhões de resultados de testes, obtidos de 743,5 mil habitantes do Reino Unido.

Fonte: Universidade de Oxford

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.

VEJA MATÉRIA ORIGINAL

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo